Favoritos de 2014 (em construção)

domingo, 10 de dezembro de 2017

Resenha || Segredo de Sangue, de Tess Gerritsen

Editora Record, 2017 || 340 páginas || Skoob
Sinopse: Um crime volta para cobrar mais vítimas no novo caso da detetive Jane Rizzoli e da legista Maura Isles. Cassandra Coyle, 26 anos, roteirista e produtora executiva de filmes de terror independentes, encontrada morta na cama de seu quarto com os dois globos oculares arrancados e deixados na palma de sua mão esquerda. Timothy McDougal, 25 anos, contador, encontrado morto na véspera do Natal num píer com três flechas enfiadas em seu peito nu. Dois homicídios completamente distintos com uma única relação: a causa da morte é uma incógnita. Resta à detetive Jane Rizzoli e à legista Maura Isles solucionar o mistério antes que o assassino faça sua próxima vítima.  

RESENHA ✍

Segredo de Sangue é o décimo segundo livro da série Rizzoli & Isles da escritora sino-americana Tess Gerritsen, que já vendeu mais de vinte milhões de exemplares em todo o mundo e foi traduzida para mais de 30 idiomas. Tess se formou em medicina e exerceu a profissão por alguns anos até o nascimento de seus filhos; em 1987, começou a escrever ficção e desistiu da carreira médica para se dedicar totalmente a escrita. Porém a medicina teve um impacto importante em sua vida e está presente em seus thrillers médicos, como Valsa Maldita (Record, 2016), e O Jardim de Ossos (Record, 2009).

Essa série tem como personagens principais a detetive Jane Rizzoli e a legista Maura Isles, que há muitos anos trabalham juntas e possuem uma longa e inabalável amizade. São como família uma para outra. Ambas mulheres fortes, são perito em suas respectivas áreas e conhecidas pelos casos chocantes nos quais atuaram.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

BOOKTAG | Fim do Ano


Olá, leitores! Esse mês está correndo uma tag literária bem legal entre os booktubers, que é basicamente um resumo sobre o que queremos ler, o que estamos lendo e nossos planos para 2018. A tag se chama Fim do Ano, criada pela Ariel Basset e traduzida para o português pelo canal Ainda Leio. Vamos lá!

1) Há algum livro que você começou este ano e que precisa terminar?

Sim!! Comecei alguns livros agora em Dezembro e preciso terminá-los. São eles Travessia  (terceiro volume da trilogia A Casa das Sete Mulheres); Trópico de Câncer (já passei da metade); Nós Matamos o Cão Tinhoso (é um livro de contos, mas está demorando um pouco pra me fisgar); e finalmente, por último, O Ceifador, de Neal Shusterman (autor de Fragmentados, um dos meus livros favoritos). 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Resenha || The Girl from Everywhere: O Mapa do Tempo, de Heidi Heiling

Editora Morro Branco, 2017 || 416 páginas || Skoob
Sinopse: Nix é uma viajante do tempo. Ela e seu pai, Slate, velejam a bordo do Temptation, um navio pirata repleto de tesouros. Ao longo do caminho eles encontram amigos, uma tripulação de refugiados do tempo e até mesmo um charmoso ladrão que pode significar muito mais para Nix. Tudo que Slate precisa é um mapa certo para viajar a qualquer tempo e lugar, real ou imaginário: seja para a China no século 19; terras vindas direto das Mil e Uma Noites ou até mesmo uma mítica versão da África. Apesar das inúmeras possibilidades, o pai de Nix está obcecado com um mapa específico: Honolulu, 1868 – o ano de nascimento de Nix e a última vez em que ele viu sua esposa viva. E, por uma chance de reencontrá-la mais uma vez, Slate está disposto a sacrificar a tudo e a todos. Quando o desejado mapa aparece, Nix vê sua própria existência em perigo e agora deve descobrir o que quer, quem é, e aonde realmente pertence, antes que seu tempo acabe. Para sempre. 

RESENHA ✍

The Girl from Everywhere: O Mapa do Tempo é o livro de estréia da autora Heidi Heiling, nascida em Honolulu, no Havaí, cenário paradisíaco onde se passa boa parte dessa história. Lançado em 2016, seu livro logo conquistou milhares de jovens leitores, apresentando Nix, uma adolescente que viaja no tempo e espaço à bordo de um enorme navio.

O Temptation é comandado por Slate, pai de Nix, e é ele quem possui o dom da Névoa, sendo capaz de viajar no tempo e para qualquer lugar, seja real ou fictício, desde que tenha um mapa original em mãos. E sobre mapas Nix entende muito bem.

A tripulação do navio já viu de tudo, e juntos passaram pelas mais incríveis aventuras, algumas das quais foram alimentadas pelo maior desejo de seu pai, algo pelo qual ele daria tudo: um mapa que o levasse para o ano de 1868 em Honolulu, Havaí, onde ele conheceu a mãe de Nix, que morreu pouco depois de dar à luz. Slate tem certeza que, se ele voltar àquele ano, pode reencontrar sua amada e protegê-la, mas parece não entender, ou não querer entender, o que está bem claro para sua filha: a viagem poderia reunir sua família e lhe dar a casa e o amor materno que nunca conheceu, mas também, e mais provavelmente, pode colocar sua própria existência em risco.
"Quando eu era jovem, aprendi a contar com a perda. Cada vez que dormia, alguma coisa desaparecia. Cada vez que acordava, alguém tinha ido embora. Mas... também aprendi que criamos alguma coisa nova todos os dias. E seja o que for, vivemos essas coisas enquanto elas duram. (...) Paraíso é uma promessa que nenhum deus se incomoda de cumprir. Só existe o agora, e amanhã nada será igual, gostemos disso ou não."

sábado, 2 de dezembro de 2017

Resenha || O Silêncio das Águas, de Brittainy C. Cherry

Editora Record, 2017 || 128 páginas || Skoob
Sinopse: Quando a pequena Maggie May presencia uma cena terrível à margem de um rio, sua vida muda por completo. A menina alegre que vive saltitando de um lado para o outro e tem uma paixonite por Brooks Griffin, o melhor amigo de seu irmão, sofre um trauma tão grande que acaba perdendo a voz. Sem saber como lidar com o problema, sua família se vê em uma posição difícil e tenta procurar ajuda, mas nenhum tratamento vai adiante. Ao longo dos anos, Maggie aprende sozinha a conviver com os ataques de pânico e, sem conseguir sair de casa, encontra refúgio nos livros. A única pessoa capaz de compreendê-la é Brooks, que permanece sempre ao seu lado. A cumplicidade na infância se transforma em amizade na adolescência, até que um dia eles não conseguem mais negar o amor que sentem um pelo outro. Mas será que o forte sentimento que os une poderá resistir aos fantasmas do passado e a um acontecimento inesperado, que os forçará a navegar por caminhos diferentes?

RESENHA ✍

Neste livro conhecemos Maggie May, uma criança sorridente e tagarela que vive com seu pai depois que sua mãe foi embora após o nascimento da filha; desde então, seu pai vive entrando e saindo de relacionamentos. Mas quando ele conhece Katie, as coisas mudam. Os dois se mudam para uma casa grande e espaçosa e a garota ganha dois meio-irmãos, Calvin e Cheryl, e é também nessa época que ela conhece Brooks, um garoto lindo por quem ela logo se apaixona e com quem passa a infância inteira nutrindo o sonho de se casar. 

Aos 10 anos de idade, ela ainda tem essa fantasia infantil de casar-se com o melhor amigo de seu irmão, e Brooks, mesmo com seu jeito fechado e sempre se negando a entrar na brincadeira, também nutre um inocente amor pela menina. Um dia ela o avisa para ir ao seu encontro em um bosque perto de sua casa, para ensaiarem para o “grande dia” deles, mas Brooks acaba se atrasando, e nesse meio tempo algo terrível acontece, mudando a vida dos dois para sempre. 

O Silêncio das Águas, terceiro volume da série Elementos da autora Brittainy C. Cherry, é um livro extremamente emocionante e apaixonante sobre amor, amizade, família e recomeços.

Resenha || Diário de Viagem, de Albert Camus

Editora Record, 2017 || 128 páginas || Skoob
Sinopse: De um dos mais importantes e representativos autores do século XX e ganhador do Prêmio Nobel de Literatura Este Diário de viagem de Albert Camus, publicado na França em 1978, traz as impressões anotadas pelo escritor em duas viagens: aos Estados Unidos, em 1946, e à América do Sul (principalmente o Brasil) entre junho e agosto de 1949. Durante sua estada em nosso país, Camus registra observações preciosas sobre vários aspectos da vida brasileira, comentando ainda seus encontros com Aníbal Machado, Manuel Bandeira, Murilo Mendes, Augusto Frederico Schmidt, Oswald de Andrade, Mário Pedrosa e muitos outros. São de leitura obrigatória para o leitor brasileiro os comentários aguçados feitos pelo pensador francês sobre este “país em que as estações se confundem umas com as outras; onde os sangues misturam-se a tal ponto que a alma perdeu seus limites”.

RESENHA ✍

Albert Camus (1913-1960) foi um influente filósofo, jornalista e escritor nascido na Argélia. Entre seus principais trabalhos estão os livros O Estrangeiro (L'Étranger, no original); A Peste (La Peste) e O Mito de Sísifo, ensaio onde Camus introduz sua filosofia do absurdo, presente em boa parte de seus textos.

Diário de Viagem, lançado em 2017 pelo Grupo Editorial Record, traz os cadernos escritos por Albert Camus em viagem para os Estados Unidos, em 1946, e para a América do Sul em 1949. Esses cadernos foram editados e reunidos, reagrupados e editados por seu editor e pela Sra. Camus, através de comparações e exames dos manuscritos do filósofo. 

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Melhores do Mês | Novembro/17



Olá, leitores! Novembro está acabando e logo o ano também, dá para acreditar? Enfim, novembro foi um mês bem intenso por aqui, principalmente no que se refere a assuntos acadêmicos, e tudo o que eu quero são férias! Longas, preguiçosas e produtivas (será?) férias.

Neste mês eu li 9 livros, e todos bem diferentes entre si. Fui de drama adolescente a clássico da literatura inglesa, passando por um new adult, um thriller sensacional e uma ficção científica onde a trama gira em torno de um apocalipse robô. Algumas leves decepções no caminho, uma ou outra surpresa, apesar de nenhum deles ter entrado para os favoritos. Acho que 2017 está sendo um ano incrível, onde conheci MUITA coisa diferente e me arrisquei em gêneros que fogem da minha comfort zone, e vocês podem ver isso nos últimos livros que li (mostro todos lá no @umaleitoravorazblog).

Hoje é dia de falar um pouquinho sobre os melhores entre esses 9, mas não falaremos apenas de literatura hoje; vou falar um pouco sobre o melhor filme que assisti em Novembro e a melhor série iniciada, além de indicar dois canais maravilhosos que descobri recentemente no booktube. Vamos lá?

terça-feira, 28 de novembro de 2017

2.990 Graus: A Arte de Queimar no Inferno, de Adilson Xavier

Resultado de imagem para 2.990 graus: a arte de queimar no infernoAutor: Adilson Xavier
Editora: Panda Books
Ano: 2017
Páginas: 320
Skoob
*Exemplar cedido pela Oasys Cultural para resenha 
Sinopse: O jovem delegado Hermano está longe de ser um policial típico. Filosofa sobre a verdade, gosta de poesia. Inexperiente e orgulhoso por jamais ter usado sua arma, ele recebe a missão de investigar o assassinato de um deputado federal acusado de desviar verbas destinadas às vítimas de uma grande inundação. A arma do crime foi um maçarico, usado com impressionantes requintes de crueldade. Outros políticos são mortos com o mesmo ritual torturante. Um pastor evangélico, ex-presidiário, surge como suspeito. A população batiza os assassinos como “Vingadores do Povo”. Pressão total. Ódio e desinformação esquentam os ânimos. A vida de Hermano se transforma num inferno.
"O inferno, deputado, é algo que queima por dentro."

Políticos corruptos estão sendo assassinados, vítimas de um grotesco e torturante ritual; um pastor  evangélico com passagem pela polícia é o principal suspeito; a população está em polvorosa com esse novo caso, e na internet manifestações de apoio aos assassinos podem ser encontradas aos montes.

Um jovem artista passa por dificuldades na carreira e pede a participação de uma velha conhecida em seu novo e mais ambicioso trabalho; ela se comove com sua situação e concorda; sua decisão a coloca em um terrível dilema, que ameaça seu relacionamento. Um inquérito sobre elementos presentes nessa obra é aberto.

Casos aparentemente distintos, mas ambos colocam o delegado Hermano em seu centro. Sua vida está prestes a se tornar um verdadeiro inferno.