Favoritos de 2014 (em construção)

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Doadores de Sono, de Karen Russell

Doadores de Sono
Autora: Karen Russell
Título Original: Sleep Donation
Editora: Record
Ano: 2016
Páginas: 168
Skoob
*Exemplar recebido em parceria com a editora.
Sinopse: Uma epidemia assola os Estados Unidos. Milhares de pessoas perdem a capacidade de dormir. Conheça a Corpo do Sono, uma organização que persuade sonhadores saudáveis a fazer doações para os insones. Sob o comando dos enigmáticos irmãos Storch, o alcance da Corpo do Sono só cresce, e ela já está presente nas principais cidades americanas. Trish Edgewater, cuja irmã, Dori, foi uma das primeiras vítimas da insônia letal, há sete anos recruta doadores para a organização. Mas sua crença na empresa e nas próprias motivações começa a vacilar quando ela é confrontada com a Bebê A, a primeira doadora universal, e com o misterioso e maligno Doador Q.

Desde a morte da irmã, Trish Edgewater trabalha para a organização Corpo do Sono, que recruta pessoas saudáveis para doarem um pouco de seu sono para pessoas que já não conseguem dormir, e essas são muitas. 

Ninguém sabe muito bem quando isso começou, e muito menos a causa, mas de uma hora para outra algumas pessoas pararam de dormir, completamente. Depois disso, muitas mortes por insônia foram registradas. Apenas os Estados Unidos foi atingido, e logo começam a ser criados métodos e equipamentos para tentar reverter essa situação.

No Corpo do Sono, Trish trabalha como recrutadora de possíveis doadores, e é bem sucedida no que faz, já que usa a triste história de sua irmã, Dori, para convencer as pessoas da gravidade da situação. Essa sua "tática" funciona também para convencer os pais da Bebê A, a única doadora universal; um pouco de seu precioso sono é capaz de reverter a insônia de muitas pessoas em estágio terminal. Uma esperança no meio do caos. 

E o caos se intensifica quando surge o temível Doador Q, cujo sonho doado está infectado com um pesadelo tão abominante que as pessoas que o recebem já não querem mais dormir, fazendo de tudo para voltarem a ser insones; arrancam os cílios, puxam as pálpebras, ingerem drogas e, nos casos mais extremos, escolhem a morte.
"O que me destaca como recrutadora, dizem os irmãos Storch, é o fato de que a more da minha irmã está eternamente fresca na minha memória; um choque, um ultraje. Não preciso procurar o pulso; essa veia continua aberta e à mostra."
Agora tanto os doadores como os insones estão com medo do sono do Doador Q, de acabarem sendo infectados por ele de alguma forma. O Corpo do Sono precisa, agora mais que nunca, de todo o sono saudável que conseguir. Mas todos os eventos recentes fazem com que Trish questione suas açõoes relacionadas à organização e, principalmente, à Bebê A.


Doadores de Sono é um livro de ficção cientifica com um "quê" de distopia e drama. Uma trama original e instigante de leitura fácil e muito rápida. Com um comentário de Stephen King na capa e o mesmo tendo assinado o texto de orelha do livro, foi impossível resistir a essa leitura.

Esse é um livro que tinha tudo para ser incrível. Uma premissa curiosa, um título instigante, uma autora indicada ao prêmio Pulitzer... Mas, infelizmente, apesar de ser uma leitura agradável, o livro não superou as expectativas geradas. Começando pela narrativa, em primeira pessoa. Essa é a forma que mais gosto, porém tenho que admitir que não funciona com alguns livros, especialmente os de distopia com uma ampla ambientação e muitos personagens. Senti que não funcionou com Doadores de Sono. O livro pede por mais pontos de vista, por uma exploração mais ampla da narrativa, da ambientação, e infelizmente não nos dá isso.
"Morreu acordada depois de vinte dias, onze horas e quatorze minutos sem dormir. Trancada dentro do próprio crânio, sem conseguir alçar voo."
A "ficção cientifica hard com fantasia e ficção científica clássica" que Stephen King vende na capa do livro fica muitas vezes em segundo plano, sendo base para os dramas pessoais da protagonista.


Eu queria mais respostas sobre a epidemia de insonia e a transfusão de sono. Gostei muito do mistério inserido sobre o temido Doador Q, cujo pesadelo é tão terrível que as pessoas se recusam a dormir, que chegou para balançar as coisas e dar um gás na trama. Afinal, quem é ele? E por quê está fazendo isso?
"Quando tento imaginar o Doador Q, jamais chego a um rosto. O que vejo, no lugar, é uma casca, um vírus humanoide interessado exclusivamente da disseminação e na replicação da própria dor."
A questão da doação de sono, da exploração da Bebê A, dos insones voluntários, dos suicídios, das interferências médicas... é tudo muito interessante e ficou na minha mente por um bom tempo após a leitura. Mas não pude evitar esperar por mais. É um livro muito curto, e, com todo seu potencial, deveria ter mais páginas e um final menos corrido.

Encontrei alguns erros de revisão, mas nada que atrapalhasse a leitura. A diagramação está ótima, com páginas amareladas e fontes de tamanho agradável.

Se gostou da premissa eu recomendo que leiam o livro e tirem as próprias conclusões. Pode não ter sido totalmente proveitoso para mim, mas pode, e vai, agradar muitos leitores. 

12 comentários :

  1. Oi!
    Quando li a sinopse a primeira coisa em que pensei foi que é uma trama que daria errado se não fosse elaborada da maneira certa, mesmo a ideia do enredo sendo muito boa. Pela sua resenha entendi que foi exatamente isso o que aconteceu, e é uma pena pois o enredo é muito original. Adoro distopias e por isso darei uma chance ao livro mas já sei que não devo iniciar a leitura com muitas expectativas.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro o gênero! Leia sim, Larissa! Vale muito a pena a a leitura.
      Beijos!

      Excluir
  2. Eu amo ficção científica e distopias, só tenho evitado algumas das atuais por terem elementos que não me agradam. Criar algo novo é quase impossível nos dias atuais, mas não lembro de ouvido nada parecido, transfusão de sono... uau... Foi o suficiente pra me deixar curiosa.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  3. Olá Gabrielly,
    Adorei a sua resenha. Antes de ler suas impressões, estava bem interessada na leitura, pois, como você disse, o livro tem uma ideia bem diferente e instigante. É uma pena que a narrativa não tenha ajudado e que a ficção científica - tão vendida - tenha ficado em seguindo plano.
    Vou anotar a dica, pois achei a premissa interessante, mas não vou esperar mais nada.
    Parabéns pela resenha e gostei muito de ter visto a sua sinceridade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Realmente a trama é bem original, eu nunca tinha visto nada parecido. :O Gostei bastante desse lance de doar sono, e ter uma pessoa com um pesadelo e tudo mais. Muito intenso e curioso. Quero ler, a trama parece bem instigante, espero gostar da leitura.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  5. Eu estava mais do que empolgada com a premissa desse livro, então fiquei contente em me deparar com a sua resenha. A empolgação era tanta e conforme você comentou alguns detalhes a mais da premissa fiquei ainda mais empolgada e agora... não sei o que esperar.
    Acho que com tantas coisas acontecendo e as interessantes sendo deixadas de lado para focar nos dramas da personagem é algo que a narrativa poderia ter resolvido se não fosse em primeira pessoa.
    Ainda quero sim ler o livro, mas foi bom ler sua resenha para não ir esperando muito e me decepcionar. Saber que não é perfeito já me deixa mais preparada para ler :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  6. amei a resenha,tinha visto esse livro no Skoob e me gostei do que vi por la.
    Depois da tua resenha,só me deu mais vontade ainda de ler.
    Seu blog é muito fofo^^
    parabéns!!

    http://escreverdayse.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Confesso que quando comecei a ler achei meio estranho essa parte de doação de sono, mas ao ler tudo percebi que se trada de uma distopia muito bem elaborada, o que me deixa triste é saber que o final não é em desenvolvido sendo muito corrido.

    ResponderExcluir
  8. Realmente livros que vivem na distopia e com amplo número de envolvidos no enredo não fica muito bom em primeira pessoa. Acredito que isso seja melhor, quando focado em poucos personagens. Que chato, tanta expectativa e enm tudo ter saido como desejado.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Eu sou uma pessoa que adora dormir , então fico imaginando o pesadelo que é não consegui. Adorei a sua resenha pois ela foi bastante esclarecedora , ao contrário da sinopse que deixa a pessoa meio confusa. Eu senti que você começou super empolgada em resenhar o livro , mas deu uma esquivava com relação ao livro ser abordado em primeira pessoa. Eu adoro quando é narrado assim , mas eu entendo o que você quis dizer sobre querer mais detalhes. Abraços
    Umparadoxoliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Muito boa resenha, me explicou o que ocorre no livro mais que a sinopse haha
    O livro parece bom, eu amo dormir, tenho um sono eterno, se eu doar a metade dele ainda sobra muito haha
    Parece um livro que eu irei gostar de ler, assim que der irei compra-lo e possivelmente lê-lo.

    http://www.literaturanews.com.br/

    ResponderExcluir
  11. De fato, uma narrativa em primeira pessoa é complicada as vezes, principalmente em Distopia (mais se posso citar um livro distópico bom com esse tipo de narrativa, te indico O Teste. Sobre o enredo ele realmente parece ser bem original e instigante, só é uma pena que você não conseguiu evitar essa sensação que poderia ser mais né? Infelizmente isso acontece quando temos expectativas bem elevadas... Enfim, eu não sei se vou ler esse livro, por hora, deixo a indicação. Quem sabe um dia eu não leia né?

    Beijos
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!