Favoritos de 2014 (em construção)

sábado, 10 de setembro de 2016

Reparação, de Ian McEwan

Resultado de imagem para reparação ian mcewan livro capa do filmeAutor: Ian McEwan
Título original: Atonement
Editora: Companhia das Letras
Ano de lançamento: 2011
Páginas: 272
Skoob
Sinopse: Na tarde mais quente do verão de 1935, na Inglaterra, a adolescente Briony Tallis vê uma cena que vai atormentar a sua imaginação: sua irmã mais velha, sob o olhar de um amigo de infância, tira a roupa e mergulha, apenas de calcinha e sutiã, na fonte do quintal da casa de campo. A partir desse episódio e de uma sucessão de equívocos, a menina, que nutre a ambição de ser escritora, constrói uma história fantasiosa sobre uma cena que presencia. Comete um crime com efeitos devastadores na vida de toda a família e passa o resto de sua existência tentando desfazer o mal que causou.

Este livro é dividido em três partes: Na primeira, vamos conhecer Briony Tallis, uma garota de 13 anos, que sonha em ser escritora um dia, e já escreve algumas peças desde os 10 anos.

Essa história começa quando Briony está escrevendo uma peça para o irmão mais velho que está para chegar da faculdade; mas isso muda quando seus primos Lola e os gêmeos Pierrot e Pierre chegam para passar uma temporada na casa; ela fica muito chateada com a presença deles e decide se isolar da família.

Quando ela vai até seu quarto para evitar contato com qualquer um da família, e olha pela janela, assiste a uma cena muito estranha: Cecilia tirando a roupa, na frente de Robbie, filho da empregada da casa e protegido seu pai que lhe pagou todos os estudos inclusive um curso em Cambridge, onde passou com um diploma de primeira classe, enquanto Cecilia passou com um de terceira classe, mergulhando na fonte em frente a casa para resgatar um pedaço de vaso que acabou quebrando enquanto eles discutiam.


"Parada no quarto, aguardando a volta dos primos, Briony deu-se conta de que poderia escrever uma cena como aquela ocorrida junto à fonte e que poderia incluir um observador oculto, como ela própria. Imaginava-se agora correndo para seu quarto, pegando um bloco de papel pautado e sua caneta-tinteiro de baquelita marmorizada. Já via as frases simples, os símbolos telepáticos se acumulando, fluindo da ponta da pena. Poderia escrever a cena três vezes, de três pontos de vista; sua excitação era proporcionada pela possibilidade de liberdade, de livrar-se daquela luta desgraciosa entre bons e maus, heróis e vilões. Nenhum desses três era mau, nenhum era particularmente bom. Ela não precisava julgar. Não precisava haver uma moral. Bastava que mostrasse mentes separadas, tão vivas quanto a dela, debatendo-se com a ideia de que as outras mentes eram igualmente vivas. Não eram só o mal e as tramoias que tornavam as pessoas infelizes; era a confusão, eram os mal-entendidos; acima de tudo, era a incapacidade de apreender a verdade simples de que as outras pessoas são tão reais quanto nós. E somente numa história seria possível incluir essas três mentes diferentes e mostrar como elas tinham o mesmo valor. Essa era a única moral que uma história precisava ter.”

Mas tarde, ainda buscando fugir da família, Briony encontra Robbie no jardim da casa e ele a pede que entregue um bilhete a sua irmã. Briony vai imediatamente levar a carta, mas no meio do caminho sua curiosidade fala mais alto e ela acaba abrindo-a; ao ler ela fica chocada com seu conteúdo.

E como se já não bastasse tudo isso, ainda naquela noite, ela ao descer de seu quarto para o jantar de boas vindas ao seu irmão recém-chegado, nota um barulho estranho na biblioteca da casa e resolve ir até lá para ver o que está acontecendo, ao entrar, se depara com uma cena que acaba por confirmar todas as teorias que ela vinha bolando em sua cabeça desde a cena da fonte: Robin e Cecilia se beijando.

Perturbada com tudo isso, e mais algumas coisas estranhas que acontecem naquela noite, e sem saber ao certo o que está acontecendo, ela acaba cometendo um crime capaz de mudar a vida de toda a família, principalmente a de Robin; e a sua em consequência.

"Não eram só o mal e as tramoias que tornavam as pessoas infelizes; era a confusão, eram os mal-entendidos; acima de tudo, era a incapacidade de apreender a verdade simples de que as outras pessoas são tão reais quanto nós."

Na segunda parte somos levados muitos anos a frente na historia, a Segunda Guerra; aqui vamos acompanhar Robbie muitos anos depois, servindo ao exercito da Inglaterra depois de tudo o que aconteceu naquela fatídica noite na casa dos Tallis.

Já na terceira e ultima parte continuamos no ambiente de guerra, mas em outro ponto de vista, o de Briony; depois do que aconteceu ela foi por um caminho muito diferente do qual sonhava; agora aos dezoito anos ela vive longe de toda a família e só tem um objetivo: tentar desfazer todo mal que causou a todos eles, mas principalmente a Robbie e Cecilia.

“Como pode uma romancista realizar uma reparação se, com seu poder absoluto de decidir como a história termina, ela é também Deus? Não há ninguém, nenhuma entidade ou ser mais elevado, a que ela possa apelar, ou com que possa reconciliar-se, ou que possa perdoá-la. Não há nada fora dela. Na sua imaginação ela determina os limites e as condições. Não há reparação possível para Deus nem para os romancistas, nem mesmo para os romancistas ateus. Desde o início a tarefa era inviável, e era justamente essa a questão. A tentativa era tudo.”
Sobre minha experiencia de leitura: Começo aqui dizendo que até agora não sei exatamente o que senti ao fazer essa leitura; criei tantas teorias ao começa-la, que, ao chegar no final, minha cabeça ficou totalmente bugada.

Eu não gostei de nenhum dos personagens, mas consegui me colocar em seus lugares e sofri junto por tudo que eles passam; até certo ponto achei a leitura um pouco cansativa; mas depois do fim do primeiro capitulo, e principalmente quando foi revelado o motivo pelo qual a Briony fez tudo aquilo, me vi presa à narrativa de uma maneira incrível.
"Agrada-me pensar que não é por fraqueza nem por evasão, e sim como um resto final de bondade, uma tomada de posição contra o esquecimento e o desespero (...). dei-lhes a felicidade, mas não fui egoísta a ponto de fazê-los me perdoar. Não exatamente, não ainda."
Estou completamente apaixonada pela escrita do Ian McEwan, seus personagens e ambientações são maravilhosamente bem construídos, e a carga dramática que o livro carrega é arrebatadora; nós leitores terminamos a leitura com lagrimas nos olhos e o coração na boca. Já estou louca para ler mais obras do autor.

Enfim, Reparação é um livro incrível; leiam, por favor!

12 comentários :

  1. OLá, Maria! Tudo bem?

    Acredita que eu não conhecia o autor? Nunca li nada dele, embora tenha assistido a adaptação. Gostei mais ou menos do filme, tive uma sensação semelhante a que vc descreveu na resenha: um cansaço, não consegui me apegar aos personagens... Mas vou colocar na lista, você me ganhou quando falou em personagens bem construídos e carga dramática rs

    Beijos, adorei a resenha e a indicação.

    http://www.leitorasinquietas.com.br/2016/09/resenha-magonia.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Krisna! Estou bem sim e você? Fico feliz que tenha gostado da dica. Leia-o sim, vale muito a pena. Beijos

      Excluir
  2. Oi Maria! :D
    Não acredito que eu não conhecia esse livro ainda, e pelo capa percebo que tem uma adaptação que eu também não conheço. Por muito tempo li vários livros ambientados em períodos históricos importantes, agora estou numa fase mais fantasia e sick lits, mas uma hora ou outra eu mudo de gênero, então não vou deixar esse de fora. Quero ler o livro e ver a adaptação e agradeço sua indicação! ;)

    Beijos e até logo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda!
      Fico feliz que tenha gostado da dica e espero que goste da leitura e de sua adaptação cinematográfica também. Beijos

      Excluir
  3. Oiii Maria, tudo bem?
    Garota confesso que essa obra em si não despertou meu interesse e irei pular a dica, mas parabéns pela sua resenha que ficou um arraso <3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Morgana! Estou bem sim e você? Espero que possa dar uma chance para essa leitura no futuro, garanto que vai valer a pena. Beijos

      Excluir
  4. Olá, primeira vez que vejo esse livro. Achei a premissa bem interessante, fiquei curiosa para saber qual o crime causado pela mente fantasiosa da protagonista e se suas tentativas de reparação teriam algum sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari! Fico feliz que tenha gostado da dica e espero que goste da leitura quando a fizer. Beijos

      Excluir
  5. Oie
    Não conhecia esse livro, achei a ideia do autor bem interessante e a sua resenha me deixou curiosa. A capa do livro não é algo que chama a atenção para o livro, mas pelo que disse, a história compensa isso.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mayara!
      Fico feliz de ter te deixado curiosa quando a leitura e espero que goste quando a fizer. Beijos

      Excluir
  6. Olá! Fiquei curiosa para descobrir que crime foi esse! Achei bastante interessante a história e é dividida em 3 partes, gosto de livros assim. Vai entrar na lista, beijos!

    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suzana!
      Fico feliz que tenha gostado da dica e espero que goste da leitura quando a fizer. Beijos

      Excluir

Obrigada por comentar!