Favoritos de 2014 (em construção)

sábado, 26 de março de 2016

O Papel de Parede Amarelo, de Charlotte Perkins Gilman

"Esse papel de parede olha para mim como se soubesse da terrível influência que exerce!(...) Fico muito zangada com sua pertinência e tenacidade (...) Nunca vi tanta expressão em uma coisa inanimada, e todos sabemos quanta expressão essas coisas têm!"

Skoob  ||  112 páginas || Editora José Olympio

Um clássico da literatura feminista, O Papel de Parede Amarelo é um conto que pode ser considerado um exemplar do gênero terror, no melhor estilo Edgar Allan Poe. Porém, este texto não conta com nenhuma criatura assustadora ou sombria; o terror está no desbotado papel de parede que recobre todo o quarto onde nossa protagonista passa a maior parte do tempo.

Com o intuito de ajudar a esposa a melhorar do que ele, médico, chama de "uma ligeira propensão à histeria", essa família se muda para uma fazenda histórica; um lugar bonito e espaçoso onde a mulher pode ficar em paz, sem fazer qualquer esforço físico ou mental. 

No quarto do primeiro andar da casa ela encontra o que seria seu pior pesadelo durante os três meses do aluguel: o papel de parede amarelo. 
Se sentindo a cada dia mais sozinha e passando períodos cada vez mais longos trancada em seu quarto, ela começa a observar as formas daquele papel de parede tão incomum, que parece lhe puxar para entre suas formas, deixando-a cada vez mais obcecada pelas figuras ali presentes, principalmente a mulher que tenta sair daquele aglomerado tão assustador. 
O lugar que a princípio era para promover seu bem-estar, acaba por fim enlouquecendo a mulher. 


Um conto curto, mas tão fortemente dramático que nos absorve totalmente do começo ao fim. Seus parágrafos, também curtos, tornam a leitura rápida apesar do conteúdo. Charlotte possui uma escrita muito boa, que mantém o leitor interessado, e é de fácil compreensão. 


O Papel de Parede Amarelo é um exemplar da literatura feminista. Em uma sociedade machista, a nossa personagem é vista pelo marido como um ser frágil, coitadinha...  E com a desculpa de querer curá-la, ele a mantém longe das pessoas, sendo vigiada por sua (dele) irmã. Faz com que ela acredite que escrever só irá piorar seu estado e lhe receita remédios para que fique mais forte, além de receitar que passe boa parte do tempo dormindo. Indo contra a primeira recomendação, ela começa a escrever sobre seus dias, e são esses escritos que lemos; do início, quando chega na casa à crescente degradação de sua saúde mental, e então ao glorioso desfecho.


Essa edição é um lançamento da editora José Olympio e conta com uma ótima apresentação de Marcia Tiburi (escritora brasileira) e também um posfácio muito rico escrito por Elaine R. Hedges, pelo qual conhecemos a história de vida da autora e um estágio de sua vida que fez com que escrevesse o conto, que possui um quê de autobiografia; além de ficarmos cientes dos percalços da publicação, que só veio acontecer de fato anos depois de escrito e chegou a receber a seguinte carta, de recusa:

Prezada senhora,
O Sr. Howells me enviou seu conto. Eu não poderia me perdoar se fizesse outras pessoas tão infelizes quanto fiz a mim mesmo!
Atenciosamente,
H. E. Scudder   
Uma leitura altamente recomendada! Leiam, até mesmo os textos no começo e fim, pois são ótimos para ajudar na compreensão do conto e também da importância que ele teve na época de publicação e tem até hoje para a literatura. 

18 comentários :

  1. Olá,

    caramba esse livro parece ser louco, gostei da premissa e do terror estar no papel de parede, nesse clima tenso. Não conhecia essa obra feminista, parece ser legal, e por tratar-se de um livro curto dá para ler rapinho. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  2. Fiquei bastante curiosa, até porque medo do papel de parede faz chamar bastante a atenção. Eu gosto de ler histórias feminista e fiquei com vontade de ler este clássico. - Joanna Amaro.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Gabrielly!
    Não conhecia esse livro, mas é um livro bem curioso. Não leio muito contos por não gostar de narrativas curtas, mas fiquei interessada com a premissa. Vou ler!

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  4. Gabrielly, eu não sou muito de ler livros com um teor feminista, mas gostei bastante da história e fiquei muito interessada em ler.
    Parece ser uma leitura incrível.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  5. Olá, estou super a fim de ler essa obra, só tenho visto resenhas ótimas a respeito do mesmo, e a sua não fica atrás. A capa é muito linda <3

    Super beijo
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  6. Parece ser uma daquelas leituras que te chocam ou te chocam...! Intrigante, interessante, diferente. Porque não arriscar, cativante? Me fisgou bonito! Obrigada pela indicação!

    ResponderExcluir
  7. Oiii
    Gente, que livro é este? Realmente me encantei completamente e saber sobre isso em relação a literatura feminista só aumentou a minha vontade de realizar a leitura. Obrigada por indicar uma obra assim <3
    Beijão

    ResponderExcluir
  8. Olá! Nossa, eu preciso ler esse livro! Fiquei intrigada mesmo, quero conhecer, saber o que aconteceu. Pelo jeito prende o leitor do início ao fim! Beijos!

    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  9. Oi Gabrielly.
    Esse conto me chamou muita atenção. Fiquei curiosíssima com a leitura! Vou colocar na minha lista de leitura.
    ^^

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem.

    Entrou na minha lista por ser feminista, e mais ainda por ser um conto. dá para ler em uma sentada, não conhecia, mas achei a premissa muito interessante e fiquei super curiosa. Adorei a dica.

    beijos
    http://chalecult.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, eu estou com esse livro na minha lista de próximas leituras, gostei muito da sua resenha e espero que mais pessoas leiam agora com essa nova edição e percebam o quanto algumas mulheres ainda são aterrorizadas por homens que querem diminuí-las e enfraquecê-las para poder continuar mandando nelas.

    ResponderExcluir
  12. Ei, tudo bem?
    O livro é bem diferente do que eu esperava. Sinceramente eu não dava nada pela história e agora estou bem animada com a leitura. Também recebi o livro, mas dei para uma amiga ler, que por sinal adorou. Então mais um motivo para que eu confira o livro. Espero gostar bastante quando for ler.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  13. Oi. Eu também recebi esse livro da editora e vou iniciar a leitura este fim de semana, não consegui durante a semana, apesar de já conhecer a história, acho uma leitura e releitura válida. Sua resenha ficou fabulosa, principalmente o último parágrafo, concordo sobre a importância do contexto do livro.

    ResponderExcluir
  14. Olá! Também recebi o livro e quero muito iniciar a leitura. Acredito na importância de falar sobre o assunto e sei o quanto essa obra pode impactar muitas pessoas. Mesmo antes de ler, já admito e admiro a grandeza das palavras da autora. Sua resenha ficou maravilhosa e adorei as citações que incluiu na resenha. Espero poder ler O Papel de Parede Amarelo e conhecer a história da protagonista em breve. ♥

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?

    Vi esse livro rodando por aí durante o mês passado, por causa do Mês da Mulher. Fiquei curiosa, mas até ler sua resenha, eu não sabia sobre o que a obra tratava. Fiquei bastante surpresa e animada, pois dá pra ver que se vale de abuso psicológico - algo que, por não apresentar marcas visíveis, muitos acreditam que é só "drama" ou "mentira" da mulher. Então, acho de suma importância que este livro/conto seja lido e debatido, inclusive em ambientes acadêmicos. Com certeza, quero lê-lo! :)

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. oi, tudo bem?
    fiquei muito curiosa pra ler esse conto. Parece ser riquíssimo mesmo, e deve ser um dos percursores do feminismo. Gosto dessas obras mais psicológicas, que conseguem realmente passar os dramas da alma.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Olá, tudo bem?
    Só de saber que é feminista, já quero ler! E mesmo que seja ou pareça triste, acho que a leitura parece ser muito válida. Espero poder ler em breve.
    Beijões <3

    ResponderExcluir
  18. Oi Gabrielli, tudo bem?

    O livro é um clássico bem bacana. Representa muito o feminismo. É curtinho, mas muito impactante. Adorei a resenha

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!