Favoritos de 2014 (em construção)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Uma, Duas, de Eliane Brum

"Porque é realidade demais para a realidade. Eu preciso de uma chance. Eu quero uma chance. Ela também. 
Quando digito a primeira palavra o sangue ainda mancha os dentes da boca do meu braço. Das bocas todas do meu braço. Depois da primeira palavra não me corto mais. Eu agora sou ficção. Como ficção eu posso existir." 

Sinopse: Esta obra trata da relação entre mãe e filha. Desde que seu pai deixou a família, diante de circunstâncias surpreendentes, a jornalista Laura e sua mãe, Maria Lúcia, mantêm uma relação distante, quase inexistente. Porém, um sério problema de saúde de Maria Lúcia acaba forçando a convivência das duas novamente.


"O capítulo um nasce ensanguentado." 

Não faço ideia de como resumir esse livro para vocês. Acabei de concluir a leitura e ainda estou tentando lidar com os sentimentos conflitantes que me invadiram. 
Nem essa pequena sinopse copiada acima encontrada na internet nem nenhuma outra conseguirá expor toda a glória e peculiaridade dessa obra tão estranha. Tão improvável. 

Este romance nos apresenta vida de mãe e filha. Do útero ao útero. Uma, extensão da outra. Ligadas pelo sangue, pela carne e pelas incertezas. Sofridas, cada uma ao seu modo. Não existe uma vilã. Ambas são mocinhas e megeras ao mesmo tempo. Vítimas e carrascas. Vitimas da crueldade das pessoas, da vida. Fortificadas pela dor e, ao mesmo tempo, enfraquecidas por ela. 

O livro já começa com Laura, a filha, se trancando no quarto para escrever seu livro. Ela vira ficção para tirar a mãe de dentro dela. Sangra com seus cortes feitos à faca para aliviar a pressão de ter seu corpo habitado pela mãe, e não só por ela mesma. Corta, sangra, escreve. Sua literatura escrita com sangue. 

A mãe, já enfraquecida pela idade mais ainda tão odiosa quanto quando a filha era pequena, é levada para morar com Laura depois de ser encontrada apodrecendo em seu apartamento. Sua saúde frágil não a impede de atormentar a mulher ainda mais. Com sua presença, seu cheiro, sua podridão. E também com sua versão da história. 

Essa ficção mais parece memória, de tão crua e visceral. Eliane Brum não economiza no sangue. Ela quer impressionar e ela consegue. A narrativa é intercalada entre passado e presente, e, chegado certo ponto, tem a versão da mãe. É loucura e ao mesmo tempo é realidade. Eliane nos entrega o mais podre do ser humano. É intenso, e sufocante; muitas vezes nauseante. É necessário ter estômago forte e mente aberta para ler esse livro. 

As personagens, imprevisíveis, não foram criadas para cativar o leitor. Longe disso. Nada que elas viveram no passado justifica suas ações no presente. É filha odiando a mãe e a mãe destruindo a filha. É um ódio que, por vezes, pode ser confundido com amor. Elas se amam tanto que se odeiam. Não é fácil de se acompanhar. 

A reviravolta no meio do livro vai confundir o leitor de uma maneira difícil de explicar. Foi totalmente necessário para uma compreensão maior do enredo; e ao mesmo tempo tão mais nauseante que tudo narrado até ali. 

"Tinham me contado que os escritores eram uma espécie de deuses. (...) Me preparei a vida inteira para ser deus. E só o que faço agora é desinventar a mim mesma. Acho que é isso. A realidade é uma ficção. E ao escrever eu vou quebrando essa criatura esculpida com amor e desespero. É o contrário. É preciso destruir a forma humana que está ali para alcançar a pedra." 

Fiquei, e estou até agora, embasbacada com a coragem; com a intensidade com a qual a autora escreveu essa obra. Ao mesmo tempo que me apavorou, o livro me desconcertou. Porque é bom! Tem qualidade. É intrigante. É maravilhoso. O final, tão ou mais intenso que o começo, é brutal. 


O livro possui 176 páginas e é dividido em 36 capítulos. Publicado pela editora Leya em 2011, a edição está impecável. O texto foi impresso em vermelho, referencia à própria estória; Laura escrevendo seu livro enquanto sangra. Fonte normal para narrar o presente, e em negrito para o passado. Tudo de muito bom gosto. 

Leitura indicada à todos que, como já ressaltei, têm estômago forte e mente aberta. Não é exagero quando digo que o livro é nauseante e inquietante, pois ele é. Uma, Duas é impiedoso e maravilhoso na mesma medida. Se deixe arriscar e leia essa obra. 

36 comentários :

  1. A Eliane Brum é sensacional, aprecio deveras a escrita dela, estou com muito desejo de ler esse livro e é a primeira resenha que vejo, que por sinal, ficou visceral, poética e sensível. Eu gosto de livros que causa esses sentimentos que causaram em você, que nos emudece e ao mesmo tempo nos faz gritar.

    ResponderExcluir
  2. De fato é uma autora para dilacerar corações! Olha Gaby, o único livro que li e imaginei tanto sangue e crueldade assim foi em Eu vejo Kate. Mas esse enredo é tão conflitante, que senti o teu desespero ao escrever essa resenha. Ao mesmo tempo que me chamou atenção, me chocou em um dilema: leio ou não leio?!
    Gosto de leituras abrasadoras e que nos deixam recuados quanto a uma opinião concreta.
    Tua resenha foi brilhante!

    http://www.osnosdarede.com/

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou seguir teu conselho e me deixar arriscar nessa leitura, curti a resenha.

    ResponderExcluir
  4. Uau, é um livro que mexe mesmo com os sentimentos. Fico pensando como ele não iria me perturbar na leitura.
    Gosto de dramas familiares e se for algo assim tão arrebatador mais interessante é.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Esse foi um dos livros mais viscerais que tive o prazer de ler, um ótimo presente de aniversário que ganhei de uma amiga... Fico muito feliz de vê-lo resenhado aqui, e de que você tenha se embriagado na leitura...
    Parabéns pela resenha, ficou maravilhosa :D
    bjs <3

    ResponderExcluir
  6. Oi Gabrielly, sua linda, tudo bem
    Nossa, depois de uma resenha como essa impossível não querer ler o livro. Sabe, o pior é que eu conheço essa história, ela acontece na vida real, já soube de alguns casos. O convívio dos personagem é bem difícil e cru e cruel, natureza humana pura, um assunto que me fascina. Não conhecia a obra, mas não vejo a hora de ler. Adorei sua resenha!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    adorei sua resenha, parece que emociona, utiliza-se de drama familiar, é interessante. Confesso que não conhecia a autora e o livro. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  8. Com sua resenha ficou difícil não me interessar pela história, qualquer livro que cause esse efeito não pode ser ignorado. Só fiquei com uma duvida, por mais que a ideia de ter a fonte vermelha pareça bonita, não incomoda ao ler? Eu não sei se conseguiria.
    Não conhecia o livro, e pelo visto não vou esquecer. A unica coisa que tenho a dizer é: uau.

    ResponderExcluir
  9. Gabrielly, tudo bem? :)
    Eu ainda não conhecia o livro e você me deixou muito interessada. Sinceramente, a sua resenha está muito boa. Diferente das coisas que vejo por aí, sabe? Sua resenha está inspirada. Já estou acrescentando o livro à minha lista, porque preciso conferir com meus próprios olhos.
    Beijo grande, e parabéns! :)
    Mona
    www.literasutra.com

    ResponderExcluir
  10. Não tenho estômago forte, desculpa. Eu me interessei pelo livro, mas eu acho que não tenho forças pra encarar uma leitura assim.

    laoliphant.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Nossa, fiquei impressionada com sua resenha! Acho interessante o livro abordar uma relação entre mãe e filha, mas o fato de ser assim tão forte e até nauseante, provavelmente me incomodaria.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  12. Achei a premissa bastante densa e forte. Acho que é um dauqles livros que valem a pena serem lidos com calma. E essa capa? Lindíssima!

    ResponderExcluir
  13. Uaaaaaau, acho que nunca conseguiria escrever uma resenha tão instigante assim, parabéns!!!
    Quanto ao livro: precisoo! Amo essas leituras que nos deixam assim, desconcertados, boquiabertos, que ousa e inova!
    Bjs ♡

    ResponderExcluir
  14. Oi Gaby, eu não conhecia a obra ainda e confesso que fiquei super intrigada com a sua resenha, com certeza quero ler ele, posso garantir que tenho o estômago forte e aguentarei tudo que está dentro dessas páginas. Já quero muito!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  15. Oiiie,

    Não conhecia a autora, e devo confessar que não entendi bem a estória, mas mesmo assim fiquei com muito medo dessa estória de escrever um livro com o sangue, gente que doideira. E ficar fazendo mal para a mãe, isso não é boom rskkkk

    Bjs

    Amantes da Leitura

    ResponderExcluir
  16. Acho que essa resenha falou tudo o que eu queria saber a respeito desse livro, estou impressionada!!!
    Quero lê-lo AGORA!!!
    Beijos

    myself-here1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oiii, tudo bem?
    eu tenho bastante interesse em ler este livro, eu já vi diversas resenhas deste livro, e sempre me agradou. Não sabia da quantidade de páginas e achei bem legal, pela quantidade e tanta história.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  18. De cara a capa não revela muito a intensa história que carregar. Em momentos prendi a respiração ao ler a resenha e me envolvi com essa pequena descrição. Querendo esse livro para ontem, preciso saber mais.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  19. Hi baby, tudo bem? nossa a premissa é bem diferente e até meio estranha para quem olha de fora, acho que só lendo para formar uma opinião, aposto que esse é aquele tipo de livro que se ama ou se odeia! hehe parabéns pela resenha

    Lilian Valentim
    http://speakcinema.blogspot.com.br/
    beijinhos

    ResponderExcluir
  20. Oi!
    Caramba :O Me senti bem atraída pelo livro no começo, pela sinopse e capa já que são bem diferentes! Mas conforme fui lendo sua resenha fui percebendo com esse livro realmente é diferente de tudo que leio e até mesmo um pouco dos tipos de livros que eu deixo passar, gosto de livros intensos, mas em uma certa medida. Acho que esse causaria um conflito muito grande -e nem tão bom- em mim. Flores no Outono

    ResponderExcluir
  21. Parece MARAVILHOSO! Já quero ler. Sério, que história profunda! *.*

    ResponderExcluir
  22. Oie
    não conhecia o livro mas sua resenha me deioxou curiosa, pois temas fortes assim sempre chamam minha atenção bem legal a dica e a resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Já um livro da Eliane Brum e amei <3 Já conhecia o livro, mas ainda não tinha lido nenhuma resenha. Parece mesmo legal, fiquei bastante curiosa.

    ResponderExcluir
  24. Ui, nossa gostei muito da sua resenha!
    Já irei pesquisar mais sobre o livro, gostei muito, parecer ser bem forte e reflexivo.

    Beijos
    http://devoreumlivrooufilme.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Oi, Gabrielly
    Nossa, adorei sua resenha. Já tinha visto o livro por aí, mas nunca tive a curiosidade para parar e ler sobre. Parece ser uma ótima leitura, apesar de ser forte e crua, como você fez questão de destacar. Acho que a autora quis deixar claro que não existe a/o mocinha/o e a/o vilã/ão. Todos nós temos um pouco dos dois dentro de nós mesmos. Mas, parece que vai além disso.

    Beijo,
    João Victor - De cabeça para baixo | All pop Stuff

    ResponderExcluir
  26. Que palavras fortes! Que vontade de ler o livro agora!
    Parabéns pela resenha, me encantou demais!
    Vou anotar aqui no skoob.

    ResponderExcluir
  27. Nossa, fiquei sem ter o que dizer em relação ao livro, pois o enredo me pareceu tão bizarro e real que é muito difícil ter o que dizer... Bom, fiquei muito curioso sobre o fim dessa história, só o que tenho a dizer.

    Abraços & até!!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  28. OI!
    Fiquei muito tocada com sua resenha, e vendo a capa e o título nunca dá para imaginar que o enredo tem essa profundidade toda. Quero ler com certeza.
    Bjs!
    Quem Lê, Sabe Porquê

    ResponderExcluir
  29. Gabrielly, achei o livro bem diferente e bem interessante.
    Fiquei morrendo de curiosidade para lê-lo e saber mais sobre ele.
    Quero muito ter a oportunidade de ler.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  30. O tipo de livro não faz meu gênero, porém gosto de dramas familiares, quem sabe um dia eu leio. Gostei da postagem.
    palavrasdelucidez.com.br
    Lucas Castelo Viana

    ResponderExcluir
  31. Não conhecia a obra. Mas poxa...fiquei muito curioso. Parece ser muito intrigante e livros assim são os melhores. Adorei a resenha,honesta e objetiva.
    Beijo.

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  32. Oie, tudo bem? Adorei a premissa do livro, me parece interessantíssimo. Do mesmo "gênero" de drama familiar e relações entre mães e filhas, te recomendo Em busca de abrigo, da Jojo Moyes!

    ResponderExcluir
  33. Nossa. Que resenha profunda! Realmente este livro é um daqueles bem fortes hein. E quantas pessoas não passam por uma questão de vida como mãe e filha e depois de um tempo tem que recriar tudo novamente quando já estão perdendo-as? Achei linda as palavras que você escreveu, mesmo que saiba que a história é bem dolorida.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  34. Sua resenha me animou em ler o livro, especialmente por eu não ter uma boa relação com minha mãe. Mas talvez a intensidade me assuste um pouco, não sei se seria bom remexer em tantas feridas. Mas eu quero... gostaria de ler.

    ResponderExcluir
  35. Oie, tudo bem? Ainda não conhecia o livro mas gostei muito da proposta. Parece ser um livro muito intenso e realmente precisa estar preparado para lê-lo. Nunca li nenhum livro dessa editora, vou procurar conhecer mais. Sua resenha ficou excelente. Beijos, Érika

    - www.queroseralice.com.br -

    ResponderExcluir
  36. Oi flor
    Não conhecia esse livro é fiquei ao mesmo tempo curiosa e perdida haha.. Parece ser uma leitura intensa e perturbadora. Irei colocar na lista de desejados. Parabéns pela resenha

    Beijo
    Lovesbooksandcupcakea.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!