Favoritos de 2014 (em construção)

sábado, 26 de setembro de 2015

[Então eu li] O Lado Feio do Amor - Colleen Hoover


SINOPSE: 

O Lado Feio do Amor - Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo... apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.





Hoje, domingo (26/09), comecei e concluí uma leitura que me deixou sem fôlego; mas não sem palavras... 

O Lado Feio do Amor é um new adult que, como todos os bons new adults, possui elementos clichês do  gênero. 
Um personagem marcado pelo passado? Confere.
Uma personagem estudando e indo atrás de seus sonhos longe de homens e distrações? Confere
Sexo? Confere
Palavrões? Confere.
Amor, medo e também boas risadas? Confere.
Personagens secundários que são tão interessantes quanto os principais? Confere.

E eu poderia escrever mais um punhado de coisas clichês que encontrei nessa leitura. 
Mas me deixem convencer vocês a dar uma chance, se não a este livro, à autora (que arrasa sempre). 

Vocês devem se perguntar: como algo regado de clichês pode ser bom? 
E eu respondo: sendo bem escrito, não tem erro. Se é clichê, é porque isso já usado e foi bom antes; e pode muito bem ser usado e ser maravilhoso novamente. Repito: nas mãos certas o clichê pode ser bem surpreendente. E no caso deste livro, me deixou de boca aberta. 

Colleen Hoover tem uma escrita maravilhosa. Tão simples e tão visceral ao mesmo tempo que faz com que o leitor mergulhe na leitura; faz com que o leitor sinta, pense e entenda as tramas que ela desenvolve. Tem sexo? Sim. Tem palavrão? Sim.  Isso quer dizer que a autora quis chocar? Talvez. 
Colleen simplesmente usa esses tópicos para se aproximar do leitor; porque tudo isso faz parte da vida, é real e é humano e às vezes é necessário chocar, sim. 
Essa autora é tão boa no que faz que trás reações físicas de tão imersos que ficamos na leitura de suas obras. E olhe que li apenas duas! 
Eu ri, ri muito. Mas também me emocionei e torci por um final feliz. Torci para que os personagens encontrassem o lado bonito do amor. E nem sou romântica! 

E ela constrói e desconstrói tão bem a personalidade dos personagens! E sim, eles parecem de verdade. Pessoas comuns e marcadas que encontramos por aí, se tivermos sorte (ou azar, dependendo do ponto de vista). 

Agora vou deixar vocês por dentro dessa história... 
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Miles é um bom homem, apesar de tudo o que já sofreu. Sua vida se resume a trabalho, amigos, trabalho, dor, trabalho. Mas nem sempre foi assim. 
Seis anos atrás, com seus 18 anos e cheio de planos para o futuro, ele conheceu a jovem e bela Rachel, por quem se apaixonou completamente. Mas o pai de Miles conhece a mãe da garota. Pior, ele estão juntos. 
Por um curto espaço de tempo os dois não sabem o que fazer, além de esconder dos pais o que realmente sentem um pelo outro. 
Mas algo realmente trágico acontece (e com trágico quero dizer TRÁGICO); mas somos apresentados a este fato muitos capítulos mais tarde. 

Tate tem 23 anos e acaba de se mudar para o apartamento do irmão, Corbin, para se estabilizar enquanto estuda e arruma um emprego. Só não podia contar com o irresistível e misterioso vizinho, que é um dos melhores amigos do irmão. A atração que sentem é instantânea, apesar de demorarem até admitir isso. 
A relação dos dois, após um acordo e algumas regras, se resume em encontros esporádicos e muita coisa física (evitando a palavra sexo, não sei porquê. Mas não tem como). Acontece que, apesar de ter sido previamente avisada, Tate quer muito mais do que Miles está preparado para oferecer. 

Tate quer o amor dele. Miles queria poder dar isso a ela. Acontece que ele já não vê o lado bonito da coisa. A palavra amor para ele perdeu a beleza seis anos antes, quando ainda era usada e sentida sem causar dor e sofrimento. Ele não está preparado, não ainda. Mas é difícil pra caramba lembrar disso, principalmente quando está com ela... 


O que esperar dessa leitura? Nada. Tudo. 
Mas esteja preparado para muita emoção e muitas, muitas revelações durante a narrativa. 

E sobre a narrativa... 

Tate narra o presente. Ela é uma garota muito apegada às palavras e, no fundo, muito romântica; deixando transparecer isso em suas descrições. Mas também é pé no chão e gosta de ter sua independência. É engraçada e arranca muitas gargalhadas com suas bobagens. 

Miles narra o passado, mais especificamente 6 anos antes, quando com 18 anos. É um garoto sonhador, mas muito dedicado. Quando conhece Rachel sua narrativa começa a ter uma forma diferente, escrita como se fosse um grande poema. É romântica e muito bonita sua forma de ver as coisas. 
Com a tragédia que já comentei esse formato de narrativa é interrompido. E pode ter certeza, tudo o que você vai querer é que ele volte a escrever como antes. 


Bom. É isso tudo o que eu tinha para escrever. Logo que finalizei a leitura (poucas horas atrás) pensei comigo mesma: é melhor colocar tudo isso no blog antes que eu me esqueça desse livro. Bobagem.  Sério, é provável que eu não esqueça nem tão cedo.

Espero ter convencido alguns de vocês a realizar a leitura, ou então ter colocado uma pulguinha atrás da orelha <3

Estava com saudades desse formato de post. Sem muita formalidade... apenas jogando aqui tudo o que senti/aprendi com alguns livros logo que faço a leitura. Espero que tenham gostado :)

15 comentários :

  1. Já li Um Caso Perdido dela e simplesmente AMEI!
    É bem este estilo também e adoro.
    Quando este livro foi lançado, fiquei bem interessado pela autora e fui ler a sinopse, e acredita que não me chamou muito a atenção?
    Mas com a sua resenha, já mudei toda a minha visão e com certeza vou compra-lo para ler, pois é do estilo que gosto.
    Bjss

    www.umolhardeestrangeiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou louca para ler Um Caso Perdido!! <3
      Espero que leia mesmo e goste bastante, Carolina! :D
      Beijos

      Excluir
  2. GABS! OLHA SÓ QUEM VOLTOU <3. Meu DEUS, primeiramente deixa eu dizer como amei esse formato de post, ficou muito mais fácil de ler, muito mais dinâmico e ficou muito muito amorzinho mesmo. Qualquer dia tentarei fazer algo assim lá no blog, quem sabe. Agora, sobre o livro... Eu já li Hopeless e Losing Hope da Colleen Hoover e fiquei até arrepiada com a história que ela trouxe. Não que fosse algo novo, mas é como você disse, escrito da forma certa um clichê sempre fica bom. No caso desses dois não é bem clichê, mas é algo que se não fosse bem escrito seria um saco, haha. Eu estou muito ansiosa por ler esse agora, depois de tudo o que li aqui. Gosto dessa jogada que ela tem com personagens, mesmo que no caso de Sky e Holder tenha sido separado em dois livros. Com certeza uma das minhas próximas leituras! <3

    The Blue Blog, por Hels

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MILAGRES ACONTECEM, NÃO É MESMO? <3
      Eu adoro fazer esse tipo de post, meio sem programação e meio desnorteado, kkk. Adoro.
      Quero muuito ler Hopeless!!!
      LEIA MESMO, PRECISO CONVERSAR SOBRE O MILES!
      Beijos <3

      Excluir
  3. Gaby, achei a história bem interessante porque amo clichê.
    E com essa mescla de sensações e emoções que você disse que a leitura te proporcionou só me deixou mais louca para ler e também tenho muita curiosidade porque nunca li nada da autora.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clichê é amor, as vezes <3 kkk
      Espero que goste, Déborah! <3
      Beijos

      Excluir
  4. Gaby, apesar de todo o teu entusiasmo com a obra, eu não me convenci a lê-lo... eu não curto new adults, não me encantei com a escrita de Colleen e ultimamente venho fugindo dos clichês. Ok que muitas fórmulas prontas são garantias de vendas e tals, mas eu gosto de sair da zona de conforto, e elementos clichês não me dão essa alternativa... mas enfim... fico feliz que a leitura tenha sido prazerosa pra vc, é muito bom quando um livro faz isso com a gente...
    bjs ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super entendo, Val :D
      Foi uma leitura bem prazerosa, sim <3
      Beijos!

      Excluir
  5. Olá!
    Tenho muita vontade de ler os livros da Colleen, mas a tradução da record me mata lentamente e com o dólar subindo ao infinito, fica difícil comprar em inglês. Sua resenha me deixou muito curiosa referente a história e acho que vou catar esse livro na primeira livraria que eu entrar hahaha

    Beijos
    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia leia leia!! kkk
      A tradução deles não é das melhores (em alguns livros) mas isso não me incomodou muito não. Tanto que o Maybe Someday, da mesma autora, eu li em uma tradução feita por fãs, então já viu né... kkk ainda assim amei o livro.
      Compreee!
      Beijos

      Excluir
  6. oi ^^
    eu realmente n me importo se o livro é clichê ou não sabe? pra mim tanto faz, contato que o autor saiba fazer da história empolgante ser clichê ou não é o que menos importa xp
    por algum motivo q ainda n sei explicar sou apaixonada por essa capa *--*
    bom, eu já havia marcado esse livro na lista de leitura, espero gostar nem q seja um pouco quando for ler.
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  7. Eu concordo muito com você: clichê nas mãos de quem sabe escrever bem pode sim surpreender.
    Mas infelizmente na maioria das vezes isso não acontece, e temos livros chatos e repetitivos.
    Muito bom saber que esse sai dessa linha e se torna algo mais.
    Nunca li nada da Colleen, mas sei que preciso, já que todos elogiam (e muito) ela.
    Acho que essa é uma boa pegada pra começar, já que você, que não é romântica, adorou, acho que vai me agrdar também.
    Dica anotada, espero poder ler em breve!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi! Tudo bem?

    Eu vi esse livro na livraria e fiquei bem interessada, pois a capa me chamou a atenção. Os detalhes em alto relevo foram muito atrativos.. rsrs Depois de ler a sinopse, coloquei-o novamente na prateleira. Após ler a resenha, vejo que posso ter perdido a oportunidade de ler uma obra bem escrita, apesar dos clichês. Mas nunca é tarde pra voltar atrás, né?! hahah

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  9. Esse livro é lindo! Como você disse tem elementos bem clichês, mas a Colleen destruidora Hover escreve tão bem os personagens, que a gente se coloca no lugar deles, e começa a sofrer e amar junto, e no final, senhoooooooooooooooor, que final é aquele....
    O lado feio do amor eu devorei em praticamente um dia, e como todos livros dela eu morro de vontade de ler de novo.
    Sua resenha ficou ótima, apresentou muito bem os elementos do livro e não deu nenhum spoiler ^^

    ResponderExcluir
  10. Oie, tudo bom?
    A Colleen tem a capacidade de fazer isso com a gente, nos desnortear. Confesso que estou bastante curiosa com esse livro com uma pegada mais intensa, pois só li as obras dela voltadas ao YA. Prevejo bons personagens, dramas e uma escrita incrível, como sempre.
    Adorei a resenha.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!