Favoritos de 2014 (em construção)

quinta-feira, 9 de julho de 2015

[Para refletir] Gritaram-me Negra (Me Gritaron Negra)

Esses dias, passeando no youtube, me deparei com esse vídeo que me arrepiou toda do começo ao fim.
O poema cantado é de Victoria Santa Cruz, uma poeta, coreógrafa, artista e compositora.
Seu poema, Me Gritaron Negra, é um dos mais sinceros, tocantes e maravilhosos que já li e ouvi.

Um desejo: que todos no mundo escutassem isso, entendessem a mensagem e lutassem também contra o racismo.

Ps: não é um vídeo longo. Por favor, ouça.


Tinha sete anos apenas,
apenas sete anos,
Que sete anos!
Não chegava nem a cinco!
De repente umas vozes na rua
me gritaram Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra!
“Por acaso sou negra?” – me disse
SIM!
“Que coisa é ser negra?”
Negra!
E eu não sabia a triste verdade que aquilo escondia.
Negra!
E me senti negra,
Negra!
Como eles diziam
Negra!
E retrocedi
Negra!
Como eles queriam
Negra!
E odiei meus cabelos e meus lábios grossos
e mirei apenada minha carne tostada
E retrocedi
Negra!
E retrocedi . . .
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Neeegra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
E passava o tempo,
e sempre amargurada
Continuava levando nas minhas costas
minha pesada carga
E como pesava!…
Alisei o cabelo,
Passei pó na cara,
e entre minhas entranhas sempre ressoava a mesma palavra
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Neeegra!
Até que um dia que retrocedia , retrocedia e que ia cair
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra!
E daí?
E daí?
Negra!
Sim
Negra!
Sou
Negra!
Negra
Negra!
Negra sou
Negra!
Sim
Negra!
Sou
Negra!
Negra
Negra!
Negra sou
De hoje em diante não quero
alisar meu cabelo
Não quero
E vou rir daqueles,
que por evitar – segundo eles –
que por evitar-nos algum disabor
Chamam aos negros de gente de cor
E de que cor!
NEGRA
E como soa lindo!
NEGRO
E que ritmo tem!
Negro Negro Negro Negro
Negro Negro Negro Negro
Negro Negro Negro Negro
Negro Negro Negro
Afinal
Afinal compreendi
AFINAL
Já não retrocedo
AFINAL
E avanço segura
AFINAL
Avanço e espero
AFINAL
E bendigo aos céus porque quis Deus
que negro azeviche fosse minha cor
E já compreendi
AFINAL
Já tenho a chave!
NEGRO NEGRO NEGRO NEGRO
NEGRO NEGRO NEGRO NEGRO
NEGRO NEGRO NEGRO NEGRO
NEGRO NEGRO
Negra sou!

8 comentários :

  1. Apenas uma coisa a dizer .... MARAVILHOSO
    me arrepiei a cada palavra dita no vídeo
    http://eesmaltecia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa fiquei toda arrepiada menina.... caramba... o vídeo é bem simples, mas a mensagem é bem intensa... ela é impactante, ela merece ser vista por todos... sinceramente eu nunca vi distinção em ninguém... sempre gostei de pessoas, independentes do que elas são.... distinguir uma pessoa que é o seu semelhante é algo muito injusto... infelizmente o homem criou isso... enfim... excelente vídeo. Xero!

    ResponderExcluir
  3. Oiie
    Gente que lindooooooo.
    Eu realmente adorei. Acho que mais pessoas deveriam ler poemas assim e assistir vídeos como este.
    É de arrepiar, lindas palavras.
    Amei

    ResponderExcluir
  4. Oii, tudo bom?
    Que lindo esse vídeo, tantos preconceitos e eles são apenas ser humano igual todos nós e tem pessoas que não enxergam isso.
    Beijos
    www.doceliterario.com

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do poema musicado, só achei que as palmas ficaram um pouco estranhas... hehe... mas o poema é bem legal e forte, todo mundo devia ver mesmo.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  6. Olá Gabrielly,
    Gostei muito do poema, é muito impactante. Não conhecia. Pude me identificar muito com os versos do poema, por ser, também, uma mulher negra e ter sentido a vida toda esse peso em mim. Mesmo sendo de Salvador, a cidade com mais pessoas negras fora da África, acredite se quiser, fui sempre a única ou uma das únicas da minha escola, uma das melhores daqui, que tinha o privilégio de frequentar por ser de uma condição social relativamente alta. Sendo assim, houveram aquelas típicas piadinhas de mau-gosto, por ainda vivermos numa sociedade assim, recheada de intolerância camuflada, apontando meus lábios, meu cabelo... Só poucos anos atrás consegui me livrar isso, e cortei a parte alisada do meu cabelo que mantinha e voltei ao meu crespo. Se quiser passar lá no post que fiz sobre minha transição, aí o link: http://www.misssorrisos.com/2015/01/meu-big-chop-e-transicao-completa.html

    Beijos,
    Miss Sorrisos Blog
    Twitter|Wattpad|Instagram


    ResponderExcluir
  7. Como é que pode que esse poema não tenha sido passado na televisão (um dos nossos meios de transmitir mensagens)? Não tinha visto ainda e não conhecia o trabalho de Victoria, palavras fortes, um poema lindo e que mais pessoas deviam escutar mesmo.

    Beijos e até daqui a pouco!
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Gente, que poema lindo! Poemas musicados são sempre lindos e quando trazem uma carga como essa fica mais lindo. Infelizmente, da época que esse vídeo foi gravado para agora, com certeza o preconceito não diminuiu, talvez estabilizado, ou até mesmo aumentado, pois já virou rotina comentários sem nenhum cunho de respeito em fotos e postagens de pessoas negras.

    Obrigado pela postagem, beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!