Favoritos de 2014 (em construção)

sábado, 20 de janeiro de 2018

Resenha || Silas Marner: o tecelão de Raveloe, de George Eliot

José Olympio, 2017 || 238 páginas || Skoob
Sinopse: Publicado originalmente em 1861, Mary Ann Evans, sob o pseudônimo de George Eliot, combate preconceitos, privilégios e desvios de conduta que se revelam até hoje na sociedade Silas Marner: O tecelão de Raveloe é a história de um tecelão de linho que foi traído por seu melhor amigo e acusado de um roubo que jamais praticara. Desencantado com as pessoas e com a religião que o condenaram, ele abandona para sempre o lugarejo onde nasceu e morava. Fixando-se em outra e distante cidadezinha, Silas passa a viver como um proscrito, não se relacionando com ninguém. Se apega ao dinheiro e acaba juntando uma pequena fortuna, que, no entanto, acabará por perder, como antes perdera a consideração dos vizinhos. Somente a aparição de uma criança, que há de surgir no lugar do ouro sumido, garantirá seu reencontro com a satisfação de estar vivo. Notável por seu forte realismo e seu tratamento sofisticado de uma variedade de questões que vão desde a religião à industrialização de comunidade, Silas Marner desmascara e combate preconceitos, privilégios, desvios de conduta e ambições tortuosas que se revelam até hoje enquistados na sociedade.  

RESENHA ✍

George Eliot foi o pseudônimo utilizado pela romancista e tradutora britânica Mary Ann Evans, um dos principais nomes da literatura na era vitoriana. Mary Ann optou por utilizar o pseudônimo masculino para tentar fugir dos esteriótipos que faziam os romances escritos por mulheres serem considerados leves, ou "literatura de mulherzinha", quando ela tinha como temas principais a angústia, desesperos e reflexões sobre a vida e a desigualdade de classes. Silas Marner é o seu terceiro romance, publicado em 1861 quando a autora tinha 42 anos.

Silas Marner deixou a cidade onde morava depois de ser acusado injustamente por um crime e traído pelo seu melhor amigo. Desiludido com tudo e todos, ele vai viver bem longe, onde ninguém sabe de seu passado. Morando sozinho e sem nenhuma ligação a não ser com seus clientes, o velho Marner passa seus dias tecendo linho, sem descanso, ambições ou esperança para o futuro, apenas vivendo um dia após o outro e acumulando uma grande quantia em dinheiro.
"O amor perfeito tem um sopro de poesia capaz de tornar mais nobres as relações dos seres humanos menos instruídos."

Com o passar dos anos, vendo sua riqueza acumular, Silas passa a viver apenas para ver sua pilha de moedas aumentar, e todos os dias passa um bom tempo admirando e contando seu ouro. Até que uma noite todo seu dinheiro some.

Um tempo depois ele encontra, no lugar onde antes guardava suas amadas moedas, uma criança de cabelos dourados e bochechas rosadas. A pequena órfã desperta no tecelão sentimentos que há muito adormeciam em seu peito. Sua vida, depois desse milagre, não seria mais a mesma.


Silas Marner é um livro de leitura tranquila que possui várias e importantes reflexões e apresenta um personagem vítima de uma grande injustiça que perde sua fé, na religião e nas pessoas, além de sua juventude. Do outro lado, vemos também os habitantes de Raveloe e a forma como veem o solitário e misterioso tecelão, objeto de fascínio em alguns, e medo e desconfiança em outros.
"Nossa consciência raramente registra quando algo desperta dentro ou fora de nós: muita seiva já circulou antes que possamos detectar o menor sinal de um botão."
A atmosfera desse livro é como um banho quentinho e lençóis limpos em uma cama fofa depois de um intenso dia de trabalho; como um quentinho no coração ou respirar ares limpos e calmos depois de um período de muita tensão. Silas Marner é um livro sobre transformações, amor e a pureza da infância, além de refletir sobre preconceito contra o desconhecido e como nossas ações podem interferir na vida de outras pessoas, tanto quanto ou mais que na nossa própria. É sobre um presente inesperado quando o mundo parece ter nos esquecido. E é o livro que irei pegar sempre que precisar de algo bonito e desse ar terno que George Eliot desenvolve aqui.

Esse se tornou um favorito para a vida e é definitivamente uma leitura que indico a todos! Foi um livro que só me despertou sentimentos bons e me fez pensar muito sobre o preconceito que muitas vezes temos com aquilo que não conhecemos, e como um gesto de gentileza pode influenciar no dia de uma pessoa.

Essa história me lembrou uma passagem do livro Extraordinário, que diz assim:

"Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil."

26 comentários :

  1. Oi Gabi!

    Tudo bem? Eu realmente fiquei interessada no livro. A ganância de Silas me parece tão absurda e, ao mesmo tempo, tão real que me chamou atenção logo de cara!

    Achei importante saber que a história propõe reflexões ao leitor, gosto muito de narrativas nessa linha, que me fazem repensar alguns aspectos da minha vida e como encaro alguns assuntos e me posiciono diante de certas situações.

    O que mais me chamou atenção foi essa personagem que você mencionou, vítima de injustiça, e que perde a fé nos homens e em Deus ao mesmo tempo que também perde sua virtude. Acredito ser algo bem complexo e quero muito saber mais.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oláa! Silas é mesmo um personagem incrível e a história dele é maravilhosa. O livro é super reflexivo. Acho que irá amar a leitura.

      Beijos

      Excluir
  2. Olá!

    Caramba, amei sua resenha. Ficou tão linda e doce que a vontade de ler esse livro tornou-se imensa. Gostei demais dos pontos da trama abordados por você e por o livro ter esse lado delator de uma sociedade injusta e mesmo assim se configurar como uma leitura leve e agradável. E que grande representatividade tem essa autora, hein. Uma grande mulher! Muito obrigada pela dica!

    Ingrid Cristina
    Blog Catarse Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh que amor de comentário! Fico muuito feliz que tenha gostado e se interessado pela leitura. Certeza que irá amar conhecer a história do Silas <3 Depois me conta!

      Super beijo,
      Gaby

      Excluir
  3. Primeiramente achei a resenha muito rica em informações, parabéns. Quanto ao livro, não conhecia, amei a capa e a trama em si me chama atenção. Gosto de estórias que me fazem refletir, sem dizer, pelas coisas que você mencionou, no calorzinho no coração que ele deve trazer. Independente de qualquer coisa acredito que tudo que nos desperta coisas boas é muito válida. Gostei muito da dica.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!!! Espero que realize a leitura e curta bastante a obra <3
      Beijos!!

      Gaby

      Excluir
  4. Oie
    Bacana saber que esse livro remete um pouco ao livro Extraordinário (é um livro lindo né?), amo estórias om reflexões e coisas do tipo, então claro que já anotei a dica aqui. Amei, muito obrigada.
    Bjos, Bya! 💋

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Extraordinário é amorzinho demais!! Também adoro livros que me fazem pensar, e esse trouxe bastante reflexão. Fico feliz que tenha gostado.

      Beijos!

      Excluir
  5. Olá...
    Adorei sua resenha!
    É sempre tão bom ver pessoas apaixonadas por um livro assim... Chega a dar aquela vontade de sair e comprar logo a obra pra ver se ela tenha o mesmo efeito em nós.
    Gostei muito de seus comentários sobre a obra e já anotei aqui, pois, não é todo dia que encontramos algo tão reconfortante assim.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que gostou <3
      Espero que goste da leitura tanto quanto eu. É um livro apaixonante!

      Beijos!!
      Gaby

      Excluir
  6. Oiii,

    Não conhecia a obra, mas achei a capa muito lindinha e a história me chamou a atenção. O fato de o livro só ter trago sentimentos bons e te levar a reflexões é um bônus que não pode deixar de ser notado. Dica mais do que anotada e espero poder conferir por mim mesma em breve.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é mesmo muito linda, e a história ainda mais :D Espero que goste da leitura!!
      Obrigada pela visita.

      Bjs,
      Gaby

      Excluir
  7. Nossa, é bem o que acontece na vida atual mesmo. Muita gente perde a fé com algumas injustiças mas por alguma forma sempre surge algo para fazer a esperança ressurgir né? Acho tão legal quando uma autora escreve um livro em um tempo no passado que sempre se reflete na realidade.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Olhando a capa não daria pra imaginar que se tratava de uma história tão linda e com elementos históricos. Achei legal sua introdução contando sobre o pseudônimo, realmente naquele tempo as coisas não eram das mais fáceis e o preconceito literário ja se fazia presente.
    O desenrolar da história me chama atenção por trazer a tona reflexões bem interessantes, gostei muito de você ter correlacionado com O Extraordinário que é uma leitura que amo de paixão, inclusive essa citação. Devemos ser sempre gentis não importa o que. Não conhecia a obra mas fiquei extremamente encantada com sua resenha e com vontade de ler.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  9. Heiii, tudo bem?
    Gosto mto quando os blogs trazem livros diferentes e poucos conhecidos.
    Ainda nao conhecia o livro "Silas Marner: o tecelão de Raveloe" e estou encantada depois de ver seus elogios sobre a história.
    E o mais interessante é que o livro é antigo e ainda sim capaz de nos encantar.
    Adorei a resenha, vou ler depois.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  10. Eu tô apaixonada pelas fotos desse post, que maravilhosas! A autora precisar usar pseudônimo só mostra como desde sempre mulheres são vistas como inferiores, o que é uma pena. Não conhecia essa obra mas só de saber que foi tao boa pra ti, e remete a outros bons livros, já quero ler.

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Nossa, eu nunca tinha ouvido falar sobre esse livro e sua autora, mas já fiquei curiosíssima para ler. Amei a premissa e parece ser daqueles livros que realmente nos fazem pensar. Além disso, pela sua resenha, acho que o livro traz personagens complexos e interessantes, especialmente o protagonista.
    Adorei a resenha e fiquei muito curiosa para ler esse livro, já vou adicioná-lo na listinha de desejados.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bom?

    Eu ainda não conhecia a obra, mas adorei a capa! Ela ter optado por um pseudônimo masculino, me lembrou a J. K. Rowling, que teve que adotar esse nome porque, segundo a editora, os meninos poderiam ter preconceito com um livro de fantasia escrita por uma mulher. Ao ver que ela fez isso lá em 1861, percebemos que o mundo não mudou muita coisa em relação ao machismo, não é mesmo?
    O livro parece ser daqueles reflexivos mesmo, em que eu tenho que ler sabendo que poderei aprender muitas coisas no final. Apesar de ser uma leitura tranquila, tratar de preconceitos (mesmo que seja contra o desconhecido) não é muito fácil, então fico imaginando como ela criou essa história. Vou dar uma chance para ele, já que você recomendou tanto ;)

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Oiee Gabi ^^
    Eu ainda não conhecia esse livro e nem a autora, mas fiquei com vontade de lê-lo. Parece trazer muitas reflexões, e lendo a sua resenha acho que consigo imaginar por que o livro é como um banho quentinho seguido de uma cama fofa com lençóis limpos ♥ Espero poder lê-lo em breve, e gostar tanto quanto você. Adorei a resenha!
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  14. Olá!Tudo bem?
    Esse livro parece realmente uma reflexão sobre a vida e tudo a sua volta.O personagem é traido e isso o transforma em uma pessoa de posses de ficar querendo apenas ver que aquilo tudo é seu,mas dinheiro é apenas o reflexo de uma sociedade infeliz e aparecer alguém que acorde sentimentos escondidos é como dizer "A humanidade tem jeito".
    Espero poder ler esse livro,parece que irei gostar bastante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?

    Quando tinha parceria com o selo clássico da Record, acabava esbarrando em alguns livros da José Olympio e gostava bastante do que via por ali, mas esse título nunca passou por lá. Não sei se o leria, pois por ela ter que usar um nome masculino para se sobrepor em uma época em que as mulheres escritoras não eram bem vistas, provavelmente ela teve que utilizar desse recurso na linguagem do livro...

    Beijos
    @blogodiariodoleitor

    ResponderExcluir
  16. Primeiramente tenho que comentar como é terrivel isso de uma mulher ter que escrever titulada como homem para ter seu trabalho levado a sério e parar de ser estereotipada.
    Achei a história muito linda, além do livro ter uma capa maravilhosa,no começo não pensei que fosse algo que tivesse vontade de ler mas fiquei curiosa para conferir a história.

    ResponderExcluir
  17. Oie, tudo bom?
    Adorei sua resenha e já vou anotar a dica. Estou precisando de um livro com a atmosfera bem tranquila e que aqueça o coração. Ultimamente só tenho lido ou fantasia ou aqueles dramas que você passa uma semana chorando.

    Beijos e obrigada pela dica.
    www.mansucritoliterario.com

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Que obra mais instigante e bem completa é essa? Eu me senti presa a leitura apenas pro ler sua resenha. Me senti na pele do Silas e imagino como deve ter sido para ele perder tudo, sabe? O livro parece ser cheio de metáforas. E também é muito interessante a forma como você parece se sentir ao ler esse livro.
    Dica anotada, sem sombras de dúvidas.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  19. Oii!
    Não conhecia esse livro, nem vi nas redes. Gostei da premissa, diferente do que temos ultimamente. É instigante histórias assim, eu fico louca para ler e compreender o que os personagens estão sentindo, imagine, perder tudo e encontrar uma criança? é bem louco! Gostei de conhecer essa história, colocarei na lista de desejados!

    beijos!

    ResponderExcluir
  20. Oi, Gabi

    Não conhecia o livro, nem mesmo vi a capa por aí. Acho que o que mais chamou minha atenção foi a questão do poder da gentileza. Eu estou passando por um momento difícil, no qual estou certa em todos os sentidos - eu estou mesmo, não apenas acho que estou - mas a outra parte não aceita e isso sempre acaba em briga. Aí eu vejo essa frase sobre Extraordinário e vejo o quanto isso está sendo cansativo pra mim, espero poder praticar esse ensinamento em breve e eapero que tenha algum resultado em minha vida, assim no creio que teve na vida do Silas.

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!