Favoritos de 2014 (em construção)

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Cinzas do Norte, de Milton Hatoum

Autor: Milton Hatoum
Editora: Companhia Das Letras
Ano: 2014
Páginas: 312
Skoob
Sinopse: Cinzas do Norte, terceiro romance de Milton Hatoum, é o relato de uma longa revolta e do esforço de compreendê-la. Na Manaus dos anos 50 e 60, dois meninos travam uma amizade que atravessará toda a vida. De um lado, Olavo, de apelido Lavo, o narrador, menino órfão, criado por dois tios mal-e-mal remediados, que cresce à sombra da família Mattoso; de outro, Raimundo Mattoso, ou Mundo, filho de Alícia, mãe jovem e mercurial, e do aristocrático Trajano. No centro das ambições de Trajano está a Vila Amazônia, palacete junto a Parintins, sede de uma plantação de juta e pesadelo máximo de Mundo. A fim de realizar suas inclinações artísticas, ou quem sabe para investigar suas angústias mais profundas, o jovem engalfinha-se numa luta contra o pai, a província, a moral dominante e, para culminar, os militares que tomam o poder em 1964 e dão início à vertiginosa destruição de Manaus. Nessa luta que se transforma em fuga rebelde, o rapaz amplia o universo romanesco, que alcança a Berlim e a Londres irrequietas da década de 1970, de onde manda sinais de vida para o amigo Lavo, agora advogado, mas ainda preso à cidade natal. Outros fios completam o tecido ficcional de Cinzas do Norte - uma carta que o tio Ranulfo envia a Mundo, uma outra que este deixa como legado para o amigo de infância. São versões e revelações que se cruzam ou desencontram, sem jamais chegar a esgotar o enigma de uma vida singular ou a diminuir a dor da derrota final, às mãos da doença, da solidão e da violência.

Neste livro vamos acompanhar a história de Raimundo, mais conhecido como Mundo, sob o ponto de vista de Olavo, ou simplesmente Lavo, um garoto órfão e o melhor amigo de Mundo desde a infância. Mundo é filho de Trajano, um grande exportador de juta e espera que seu herdeiro, siga seus passos. Mas mundo não liga para a riqueza, muito menos para o negócio dos pais, o que ele realmente quer da vida é se tornar um grande pintor.

Sua rebeldia e falta de interesse pelas coisas do pai deixa Jano revoltado, ele tenta fazer de tudo para acabar com o sonho de seu filho, mas isso só faz com que Mundo tenha cada dia mais vontade de ir atrás do que realmente quer para sua vida. Apoiado pela mãe, Alícia, o garoto faz de tudo para seguir sua vocação, mesmo depois que seu pai toma a decisão de tirá-lo da cidade e o por para estudar em um colégio militar.

Em Cinzas do Norte do autor nacional Milton Hatoum, o autor narra duas décadas das vidas desses personagens tão peculiares; essa é uma história muito forte e surpreendente sobre relações familiares, amizade e a busca pelos sonhos.
"Uns vinte anos depois, a história de Mundo me vem à memória com a força de um fogo escondido pela infância e pela juventude."
Sobre Minha Experiencia de Leitura: A história é ambientada na Manaus dos anos 50 aos anos 70 em pleno regime militar. Aqui acompanhamos não só os conflitos entre Mundo e seu pai, mas também a vida simples e difícil de Lavo morando com seus tios Ranunfo e Raimunda, um alcoólatra vagabundo e uma costureira.

A história se torna cada vez mais interessante com o decorrer da narrativa, conforme os garotos crescem e as histórias do passado de cada personagem vão sendo reveladas ao leitor, passamos a entender suas vidas e as razões de seus conflitos, principalmente entre os pais do personagem principal.

O que mais me instigou na leitura foram as cartas que se intercalam à narrativa e que são cruciais para o desfecho da trama. E por falar em desfecho, esse foi extremamente surpreendente, não me passou em nenhum momento pela cabeça que aquilo poderia acontecer, e quando aconteceu, eu fiquei totalmente impressionada.

Uma das coisas que me deixou mais apaixonada pelo livro, foi a grandeza da cultura do norte do país, que é sempre marca registrada nas obras do Hatoum e já tinha me deixado completamente apaixonada em sua obra anterior, Dois Irmãos. Mas em Cinzas do Norte, o autor mergulhou mais a fundo na cultura e nos costumes dessa região tão esquecida por nós brasileiros e pela literatura em si.

E o mergulho foi tão profundo que me senti completamente imersa naquele ambiente tão rico e bonito. O autor faz questão de expor muitas características locais, principalmente ligadas à gastronomia, aos índios e à geografia do lugar, sem falar na pobreza da população ribeirinha que permeia toda a obra.
“‘Estou trabalhando, mana”, disse tio Ran. “Trabalho com a imaginação dos outros e com a minha.’ Ela estranhou a frase, que algum tempo depois eu entenderia como uma das definições de literatura”.
O livro é curto e sua leitura é bastante fluida. Os personagens como sempre foram ricamente construídos e desenvolvidos ao longo da narrativa, todos muito reais, a empatia com cada um deles acontece de forma natural e imediata.

A escrita de Milton Hatoum é bastante simples, direta e apaixonante, poucos autores tem a capacidade de escrever um livro tão cru e poético como ele, transformar um dramalhão familiar em uma coisa tão agradável de ler é coisa pra poucos, e é por essas e por outras que ele e suas obras não vão sair da minha vida nunca mais.

Este é mais um livro nacional que me ganha neste ano e que se torna um dos favoritos da minha vida.

4 comentários :

  1. Oi Maria Eduarda!
    Não conhecia a obra e nem o autor. Mas já fiquei curiosa pela trama se passar no norte do Brasil, principalmente pela época onda a história se passa. Os personagens parece ser ótimos! Sem dúvidas fiquei morrendo de curiosidade pra conhecer a obra e o autor.
    Beijos

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kamilla!

      Essa obra é toda maravilhosa, espero que goste da leitura! Beijos

      Excluir
  2. Oi, Duda!
    Adorei a resenha e o plot do livro. Gostei ainda mais por se passar em uma região pouco explorada pela literatura!
    Como sempre, ótima crítica!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elton!
      Fico muito feliz que tenha gostado. Obrigada!

      Abraço

      Excluir

Obrigada por comentar!