Favoritos de 2014 (em construção)

sábado, 27 de agosto de 2016

O Deserto Dos Meus Olhos, de Leon Idris

Resultado de imagem para O deserto dos meus olhos
Autor: Leon Idris
Editora:  Independente
Ano: 2015
Páginas: 454
Skoob
*Livro cedido em parceria com o autor.
Sinopse: Rupert Lang só tem lembranças do que não viveu. Nas entrelinhas do papel em que escreve diariamente, ele busca encontrar o que restou de sua identidade perdida. O leitor de seus escritos é sua única companhia, um confidente capaz de guiá-lo de volta ao que ele foi um dia. Como um romance histórico encerrado numa única mente, o caminho a ser trilhado envolve acontecimentos não registrados nos livros de História; passagens pela corte espanhola do reinado de Isabel II, pelas ruas da Praga de Johannes Kepler e pelos corredores de um templo budista construído em um penhasco na China. Aquilo que poderia ter sido vivido e aquilo que se suspeita partir da imaginação recebem igual valor, desafiando o leitor a confiar no caos e a encontrar respostas e verdades no inverossímil – ou apesar dele.

Neste livro vamos conhecer Rupert Lang, um escritor que esta escrevendo sobre alguns acontecimentos de sua vida para que assim consiga encontrar seu verdadeiro eu, seu lugar no mundo.

Mas quem espera encontrar aqui uma historia com tempo e lugar definidos, ira se surpreender; nós leitores somos levados a diversos lugares e épocas diferentes que não fazem sentido algum, tanto para quem esta lendo como para os próprios personagens que também parecem perdidos no meio dessa confusão de cenários diferentes.

Toda essa confusão começa de forma vagarosa, é só a partir do terceiro capitulo que o leitor percebe de fato que os cenários mudam.

É nessa confusão de tempos e historias que começamos a acompanhar as aventuras de Rupert, seu amigo Benjamim e vários outros personagens muito importantes para o enredo, principalmente uma mulher muito misteriosa chamada Dolores.
"Pois tenho o direito de diferenciar a mim e ainda assim não desejar ser julgado. Não há problema em sermos vistos como diferentes, mas como inferiores sim."
É só com o desenrolar dos acontecimentos e quando as histórias começam a se misturar, tornando-se assim uma só, que Rupert, começa a entender o que realmente esta acontecendo a sua volta; principalmente depois da chegada de um personagem muito peculiar: O Arleguin.

Com a chegada desse personagem, o enredo toma um caminho muito psicológico, filosófico e poético; ele mexe muito com a psique, não apenas dos personagens, mas também de quem está escrevendo (e de quem lê principalmente).

"Nossa passagem pelo tempo é tão acelerada e fugaz, somos tão recorrentemente lembrados de que somos provisórios, que acabamos apenas ansiando por eternizar a matéria, nossa matéria e nossa alma noutras matérias. Todas as espécies o fazem inconscientemente por meio do instinto de reprodução. O homem, entretanto, por ser consciente, e pelo maior discernimento da transição daquilo que é impermanente e se findou, teme apaixonadamente a morte e rebela-se de modo mais sofisticado contra essa mortalidade construindo meios que simulem o permanente. É este o motivo, confesso e inconfesso, de todo autor, seja a obra um épico, um conto, um filme, uma música, uma pintura com sangue no interior de uma caverna, um rabisco no assento do ônibus, [...] todas elas ecoam um mesmo medo: o medo de que as ideias, os sentimentos e nós mesmos sejamos passageiros e dispensáveis, como são os segundos."

Sobre minha experiência de leitura: Quando eu soube da existência desse livro por meio do YouTube, me interessei de imediato, mas quando ainda só tinha visto sua capa e título, julguei se tratar de uma fantasia épica.

Foi só quando vi a primeira resenha que soube de fato sobre o que se tratava; para minha surpresa, não era um livro de fantasia e sim um romance histórico; mas isso, ao contrário do que se possa imaginar, não me fez perder a vontade pela leitura, pelo contrário, seu lado psicológico e o fato de ele parecer uma viagem inconsciente no tempo me interessaram ainda mais.

Deixei que passasse um tempo para que eu fosse atras de fazer essa leitura, mas assim que deu, entrei em contato com o autor e perguntei se ele estava aberto a parcerias para que eu pudesse fazer a leitura e resenha-lo aqui para vocês.

O autor aceitou de imediato, me enviou o livro e eu comecei a leitura o mais rápido possível, exatamente uma semana depois do seu início, a leitura foi finalizada e agora aqui está a resenha (que confesso, achei que seria mais trabalhosa de elaborar).

“[...] há muito não vejo sorrisos se abrirem por algo que eu tenha dito. E há nisso, sinto, na simples obtenção de um vislumbre dos dentes de terceiros, mais que um adorno perecível para o ego, há um teor de vida imprescindível para a saúde da alma. Torna decrépito o espírito, tal ausência. Se é possível sentir saudade de quem nunca conhecemos, então é exatamente isso que sinto quando penso nela.”
O Deserto Dos Meus Olhos não é um livro fácil de ser lido, pelo contrário, com esse turbilhão de acontecimentos, épocas e ambientes diferentes pelos quais passamos ao longo de toda a narrativa, nos sentimos perdidos; mas não me entendam mal, o livro em momento algum se torna chato ou cansativo.

O que mais gostei nele foi a carga histórica, psicológica, filosófica, sociológica, geográfica e poética que permeia toda a narrativa.

O que também me fez ficar ainda mais vidrada na leitura foi o fato de que o livro tem varias passagens incríveis e frases muito impactantes, inclusive de autores muito conhecidos como Shakespeare e Franz Kafka; o que tornou a leitura muito mais prazerosa.

Este é o livro de estreia de Leon Idris, que além de escritor também é booktuber; anteriormente ele só havia publicado alguns contos que podem ser encontrados no site da Amazon. Este livro também pode ser encontrado na amazon em formato e-book ou em formato físico para compra no site do autor AQUI.
"Um belo livro é aquele que semeia ao seu redor pontos de interrogação."
Enfim, o Leon está de parabéns, sua escrita é muito fluida e seus personagens e ambientações são muito bem construídos, fico imaginando quais foram suas formas de pesquisa, por que pra fazer um livro tão perfeitamente detalhado e sem furos assim, ele não pode ter usado só a internet.

A revisão do livro é impecável, o que me lembra de que é preciso ressaltar aqui que este livro é uma publicação totalmente independente. Realmente não sei o que as editoras estão fazendo que ainda não tomaram conhecimento dessa obra prima que merece ser conhecida mundialmente e até virar um best-seller. 

P. s. Sei que o resumo do livro pode estar confuso, mas é que a historia em si é muito confusa; então é preciso ler esta obra para que realmente se entenda tudo que o autor quis passar.



12 comentários :

  1. Oi Maria! Tudo bem?
    Adorei a capa e a sinopse! Mas foi sua resenha que me deixou curiosa para ler! Parecer ser um livro cheio de emoções! Dica anotada e adorei sua resenha!
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sophia! Estou bem e você? Fico feliz que tenha gostado da resenha e espero que goste da leitura quando tiver a oportunidade de fazê-la. Beijos

      Excluir
  2. Oiii Maria, como vai?
    Menina eu me apaixonei por esse livro só por ter a palavra "budista" na sinopse, meu coração chegou a emocionar e confesso que me tiraria de certo modo da minha zona de conforto. Quero ler com toda certeza.
    Bejinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Morgana! Estou bem e você?
      Fico feliz que tenha interesse na leitura e espero que goste quando a fizer. Beijos

      Excluir
  3. Eu ainda não conhecia o livro e a premissa me pareceu ser um pouco lenta em alguns momentos mas no geral eu acho que a leitura pode ser muito bem aproveitada. Pela maneira que você falou eu fiquei curiosa para ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beatriz!
      Espero que possa dar uma chance para a leitura e que goste quando a fizer. Beijos

      Excluir
  4. Olá Maria Eduarda,
    tanto o título quanto a capa me chamaram muito a atenção, mas a sinopse e a resenha mostraram que não é meu momento para lê-lo.
    A narrativa não me empolgou, mas admito que demoro a sair da minha zona de conforto e um romance histórico está longe dela.

    Beijos!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anne!
      Espero que possa dar uma chance a leitura, garanto que vale muito a pena. Beijos

      Excluir
  5. Oii,

    Gostei da história desse livro, e estou bem curiosa para saber como tudo vai terminar. E fiquei bem curiosa com essa pegada sobrenatural também. Já vou incluí-lo na minha lista.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii
      Fico feliz que tenha gostado da dica e espero que goste da leitura quando a fizer. Beijos

      Excluir
  6. Olá Maria,
    Muito obrigada por me apresentar esse livro, não conhecia a obra, a capa é simplesmente fantástica e a história me chamou muito a atenção. Gosto bastante de livros históricos assim e acho que esse livro tem a capacidade de nos despertar vários sentimentos.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii
      Fico feliz que tenha gostado da dica e espero que goste tanto quanto eu dessa leitura quando tiver a oportunidade de fazê-la. Beijos

      Excluir

Obrigada por comentar!